terça-feira, 22 de julho de 2008

acidentes oculares preciosos

[1138]


parece que a viagem começa a fazer um certo sentido. parece que regressei a um passado onde me encontro pacificado. onde finalmente revejo a minha imagem na liberdade. talvez não se complete de um dia para o outro, mas seja um caminho desenhado com linhas seguras e decididas.

petiscos da caminhada - (ou o post que se poderia chamar: um três, um quatro e um cinco)

o homem sentimental, javier marías (***)


“Nestas páginas que fui enchendo […] reconheço uma voz fria e invulnerável, como a dos pessimistas, que do mesmo modo que não vêem nenhuma razão para viver também não vêem nenhuma para se matarem ou morrerem, nenhuma para terem medo, nenhuma para esperarem, nenhuma para pensarem; e no entanto não fazem senão estas três coisas: ter medo, esperar, pensar, pensar constantemente. […] Pensava tanto que cheguei a fazer das muinhas poucas conversas, […] um mero prolongamento verbal do meu pensamento a sós; pensava tanto nessa altura que cheguei a fartar-me de mim mesmo.”

pp.49

“Este estado típico de adolescente e dos apaixonados recentes, tem as suas exigências, e uma delas, […] é o estabelecimento imediato de uma rotina o mais férrea possível, que não abra espaço ao desconcerto da improvisação nem permita catastróficos vazios que ponham em causa essa incorporação e dêem que pensar […] “

pp.49


crónica de uma morte anunciada, gabriel garcia marquez (****)

“Foi ela quem estoirou com a virgindade da nossa geração. ensinou-nos muito mais do que devíamos aprender, mas ensinou-nos acima de tudo que nenhum lugar da vida é mais triste que uma cama vazia.”

pp.97/98

”As luzes estavam apagadas, mas assim que entrei senti o cheiro de mulher morna e vi os olhos de leoparda insone na escuridão, e depois não voltei a saber de mim até os sinos começarem a tocar.”

pp.102

a desgraça, j. m. coetzee (*****)



“ A vida no campo sempre teve a ver com vizinhos a maquinar uns contra os outros, desejando pestes unas aos outros, desejando colheitas pobres uns aos outros, desejando a ruína financeira uns aos outros, mas, em momento de crise, sempre prontos a ajudarem-se mutuamente. […]”

pp.107

“ Aquele sentimento volta a apoderar-se dele: falta de vontade, indiferença, mas também uma sensação de leveza, como se tivesse sido comido por dentro e apenas sobrasse a carcaça carcomida do seu coração. Como pode, pensa consigo mesmo, um homem neste estado encontrar palavras?”

pp. 141

“Faz uma pausa. Isaacs olha-o com uma atenção penetrante.
- Então - diz Issacs, suavemente, e a palavra desprende-se-lhe dos lábios como um suspiro: - assim caíram os grandes!
[…]
- Talvez seja bom – diz – sofrer uma queda de vez em quando. Desde que não nos quebremos.”

pp. 150

por vezes é melhor não tecer comentários sobre os livros. e desta vez o melhor é aproveitar as palavras de quem os escreveu.

4 comentários:

tonsdeazul disse...

Como sabes já li e gostei do primeiro. Tenho o segundo para ler. O terceiro não faz parte da minha prateleira, mas pelas estrelas deve ser bom!

"- Talvez seja bom – diz – sofrer uma queda de vez em quando. Desde que não nos quebremos."
Gostei desta parte, mais não seja para nos apercebermos com a dor, que estamos vivos!

Sim por vezes é melhor saborear apenas as palavras dos autores! Deve ser por isso que este mês li imensos e não tenho nenhum em especial que me apeteça escrever... Ou talvez seja apenas o calor que me deixa assim sem vontade... :)

Fernando Pessoa disse...

o primeiro li por ter visto no teu blog e consegui arranjar na fnac por 4,5 euros (grandes amigos, custava dez),

os outros dois não têm a capa apresentada, porque só custaram um euro (colecção da revista sábado)...

de facto não é razão para não ler o custo dos livros...

tonsdeazul disse...

Só depois de teres comentado que os outros eram da Sábado é que me apercebi que já tinha lido o segundo e tinha-o confundido com um outro do autor. Isto de ler demasiado confunde o cérebro por vezes... :)
O último é que não adquiri mesmo com a revista...

Já sabes da colecção que sai hoje com o Público? E a que vai sair amanhã com o DN?
A do Público desconheço a lista. Quanto à do DN, há alguns interessantes... (http://dn.sapo.pt/promocoes/livrosdebolso.html).

Fernando Pessoa disse...

:)

a do diário já sabia que ia começar amanhã, mas ainda não tinha visto a lista toda.
( e vou comprar de certeza, embora tenha de reservar no sítio do costume, porque vou de férias duas semanas e quando chegar quero a colecção toda)

a do público não sabia de todo. (vou investigar :)