quinta-feira, 10 de julho de 2008

telegráfico

[1111]

quando tinha 18 anos, achava que tinha direito a todas as mulheres do mundo.
hoje
dez anos depois,
acho que são todas as mulheres do mundo que deveriam ter alguém como eu, por direito próprio.

10 comentários:

Teté disse...

Telegráfico e... modesto!!!

Também achei piada, porque o post 1111 fez-me lembrar um quarteto antigo com o mesmo nome, em que cantavam uma canção a el-rei D. Sebastião... :)))

Fernando Pessoa disse...

do grande josé cid!

:)

era uma provocação. a minha modéstia é um princípio.

Anónimo disse...

É um princípio e um fim!

:)

Fernando Pessoa disse...

caro anónimo,

o fim ainda vem tão longe...

a isto se chama crescer. amadurecer. tornar o vinho do porto vintage.

Anónimo disse...

O fim não é de final mas sim de finalidade.

A isso se esperteza saloia.

Fernando Pessoa disse...

saloio,

"adj., diz-se de uma qualidade de pão e de outros produtos dos arredores de Lisboa."

esperto e saboroso. nada mau.

obrigado pelo elogio

Anónimo disse...

cuidado! ás vezes tanto amadurece que fica... que se estraga!

Fernando Pessoa disse...

eu agradeço q t preocupes comigo. a sério, é bonito da tua parte. um altruísmo (sabes ao menos o que é isso) assim tão desprendido até parece de padre católico, ou freira (não quero que te ofendas com a parte do celibato).

a bem da verdade vamos todos apodrecer. não vais ficar cá para semente. se for tipo maçã,pelo menos eu sei que vou apodrecer com muitas dentadas.

obrigado do coração. a minha mãe também agradece a tua preocupação.

Anónimo disse...

olha que muitas maças caiam sem que ninguém as apanhe e acabam por ter o infeliz destino…

Anónimo disse...

Uma pessoa faz um comentário anónimo e depois vêm outros anónimos continuar a conversa.

Isto é uma falta de respeito!