segunda-feira, 13 de outubro de 2008

semana veneza [5]

[1272]

no calmo crepúsculo de veneza, havia uma tonalidade peculiar nas escadarias. o sol reflectido das águas expunha-se aos passos de quem ainda visitava a cidade. não estava muita gente pelas ruas. havia arrefecido muito rápido, e os transeuntes eram os turistas que, como nós, aproveitavam ao máximo a beleza dos canais.
.
há uma calma que não tem explicação lógica. a excitação da novidade soçobra perante o desejo de pacificação da alma.
.
(juro que um dia hei-de voltar a comer lombo de porco assado, com fiambre e carne picada à bolonhesa, só que desta vez numa dose condizente com os meus 60 quilos)

4 comentários:

Teté disse...

E o que é uma dose condizente com os teus 60 quilos??? Uma dose maior ou menor?

Bom, pelos vistos Veneza caiu-te mesmo no goto... :)

Fernando Pessoa disse...

ui, maior. muito maior :) eles comem como em lisboa, doses muito reduzidas para um homem deste porte...

e ainda lhe faltava a massa esparguete!

S. disse...

Suponho que essa súbita pacificação vem do tal desejo de se querer guardar tudo o que se vê...

Fernando Pessoa disse...

há dias discutia esse meu problema nas viagens :) a vontade de registar tudo na memória, o que vemos, sentimos, cheiramos, por vezes faz-nos perder essa necessária união da alma com o espaço. ainda vou a tempo de aprender a deixar de ser tão consumista com os olhos :)