terça-feira, 14 de outubro de 2008

semana veneza [7]

[1274]

nos estranhos meandros das ruas de veneza, não percebemos quem vive nestas casas. há alguns institutos, museus, universidade e lojas. tudo menos sinais de que nestas ilhas ligadas entre pontes, viva alguém.
.
por momentos imagino que ainda oiço o violino de giacomo casanova. o som ecoa nas estreitas paredes, velhas e grafitadas, com cartazes colados, recolocando-me na realidade. estou noutro tempo, penso. o som do violino está gravado nas eras que cobrem esta casa.
.
casanova disse o que eu diria se me sentisse inspirado, ou vivesse numa mansarda veneziana.
«Amei-as até à loucura... mas mais do que elas, amei a minha liberdade».
.
é veneza meus senhores.
(e alguém espreitou à janela provando haver vida por trás destas paredes)

2 comentários:

S. disse...

Custa-me sempre imaginar a vida dos nativos...a verdadeira viagem seria entrar nessas casas.

Fernando Pessoa disse...

ou conviver com eles num café, numa taberna qualquer :) estar entre os habitantes destas cidades é o captar da essência humana local. com isso completamos o quadro que vamos pintando na nossa cabeça.