sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Os Contemporâneos

Ontem vi um sketch como não via há muito, não quer dizer que não se tenham feito ultimamente bons sketches, mas o de ontem deixou-me a chorar a rir.

Ainda não o encontrei no youtube para aqui o colocar, deve estar disponível lá mais para domingo ou segunda.

Imaginem uma Feira do Erotismo bem portuguesa. Era a Feira Folcloerótica, uma mistura de Folclore e Erotismo, de morrer a rir. Adorei a parte dos "Dildeiros de Miranda".

Acho que repete no sábado ou domingo à noite. De qualquer forma vou ver se coloco aqui logo que possível. Está de mêdo!

4 comentários:

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

estão cada vez melhores :)

LDS disse...

Eu gostei do sujeito que foi à caça de cócós!!!!
Teve um dia bem produtivo.

Onun Ras Al Gull disse...

Pois é, eu já sabia!

O programa já vai na segunda temporada e apesar de já não terem o mesmo elenco (saiu por exemplo a portentosa Maria Rueff)o programa tem vindo a melhorar gradualmente a sua consistência.

Em primeiro lugar, destaco a originalidade dos sketches (inventivos, imprevisiveis, desconcertantes na mais pura tradição Monty Pithon)

Em segundo lugar, desde a primeira temporada, cortaram muito tempo de antena à actriz com menos talento (cujo talento NÃO É equiparável à massa adiposa).

Em terceiro lugar, o tratamento de imagem e som, que respeita a vontade de elevar o género da comédia à "contemporaneidade" do que de melhor se faz por outros lados/paises (pelo menos tentam evitar aqueles cenários kitsh com o uso exclusivo de cores primárias "vide malucos do riso").

Por último, o facto de procurarem aliar alguma sofisticação e experimentalismo à actualidade e vicissitudes do modo de vida português (dos quais o sketch dos dildeiros de Miranda è exemplo, ou a deliciosa paródia aos pseudo incríveis da Sic).

Finalmente, resta sublinhar o facto de Bruno Nogueira estar a "afinar" cada vez mais o seu timming humorístico, assim como a excelência do actor Nuno Lopes (um talento já confirmado, quer pelo método humoristico quer no registo dramático).

Uma série que se vai tornar de culto e que já ombreia com os aburguesados e (hoje) intermitentes, Gato Fedorento (que olhando para a concorrência têm mesmo que arrepiar caminho).

O Poeta Morto disse...

ah sá leitao!