terça-feira, 30 de outubro de 2007

sábados melancólicos

[353]
.
.



passados 5 anos desde que vimos este artista, voltamos a procurar vê-lo para aferir as melhorias. essas foram evidentes. até pelo grupo que o acompanhou. excelentes músicos que criaram o ambiente perfeito para nos transportar ao interior da escócia (país de origem de Sandy KilPatrick). com um sotaque característico, conseguiu evoluir com algumas músicas mais completas e com mais arranjos melódicos. ouvir isto num "bar" onde nunca tinha ido (café-concerto da casa das artes de famalicão) foi ainda melhor.
.
comprei o CD...
.
.
com direito a uma dedicatória pela dedicação...
.
.
este CD foi resultado da sua participação para uma curta-metragem de André Tentugal.
.
mais e mais [aqui]
.

7 comentários:

Zé Baptista disse...

Gostava mais da Sandy quando cantava com o Junior. Depois de se juntar a essa seita de lampiões "Peregrinos da Luz", matou o Patrick e estragou tudo. E agora? Quem é que vai fazer filmes como o "Dirty Dancing"? O moço não merecia...

Fernando Pessoa disse...

e a maria que cantava com eles?

com aquelas voz de sereia que nos leva pr'á praia e pimba - grita tanto nos ouvidos que nunca mais ficas o mesmo...

amigo baptista isto está de mal a pior....manda boas de áfrica que isto não é grande coisa...

O Poeta Morto disse...

Ai (suspiro) a menina do xilofone... grande "sanfada".

Eu queria-a so para mim, para a ter la em minha casa e onde cada dia, tocava um instrumento diferente.

Mas isso era egoismo da minha parte e muita gente ia perder a oportunidade de se apaixonar por aquela voz.

P.s. Se bem que ela, por si so, também merece a atenção devida.

Zé Baptista disse...

Cá para mim o poeta morto tinha as mãos ocupadas no momento de bater palmas...

Zé Baptista disse...

Aposto que para conseguir o autógrafo deves ter andado para lá a dizer que também eras artista... E que sabias tocar o "Shi no wana min, no nei".

Fernando Pessoa disse...

o poeta estava maravilhado, de cada vez que a miúda abria a boca ele olhava pra mim com aquela car, "se eu pudesse..."

e disse que cantei na igreja muitos anos...e que ás vezes (quando estava alegre demais) parecia um piano, um piano não, um ORGÃO!

O Poeta Morto disse...

Na semana seguinte a este magnifico concerto a produtividade lá no gabinete subiu, e de que maneira. Falo por mim claro, e culpo a "Claire Martin". Quem sabe uma musa inspiradora daquelas que só se vê no cinema...