quarta-feira, 14 de maio de 2008

se não fosse a estrada

[973]

com o céu carregado de núvens, densas
de carpideiras que nos emudecem de tristeza,
parei diante de um rasgo de sol que
descia
lenga-lenga
até mim, como se só a mim me acompanhasse.
.
pensei que era a hora de me emocionar com
a alegria de ser bafejado pela sorte. e quando
me preparava para assistir à manifestação de deus,
ouvir a sua voz suprema, ou ter visões apocalípticas,
apenas me ecoou,
zurzindo
a buzina,
do carro que atrás me pedia para saír do meio da estrada.

5 comentários:

Anónimo disse...

Picasso: "Há pessoas que transformam o sol numa simples mancha amarela, mas há também aquelas que fazem de uma simples mancha amarela o próprio sol."

shining sun...

menina limão disse...

Olá.

Descobri um blog que vive de plágios de textos de outros blogs. Tu és um dos plagiados. Gostaria de te reenviar o mail que enviei para os restantes plagiados que entretanto detectei, mas não vejo o teu mail disponível.

Escreve para meninalimao[at]gmail.com caso estejas interessado em conhecer o caso.

Fernando Pessoa disse...

anónimo,

e eu que fiz?

menina limão,

espero voltar a este assunto em breve. já lhe enviei o mail. embora isso não me preocupe muito, porque é impossível de controlar.

O Poeta Morto disse...

Logo, depois do jantar de despedida de um dos camurcinas, tratamos disso...

Anónimo disse...

tu 'fazes muito mais que o sol' porque até em manchas-nuvens negras o vês...

quanto ao plágio sempre ouvi dizer que é a melhor forma de tributo.

see you...