terça-feira, 16 de setembro de 2008

intróito

[1215]

dizem que sim. que começar é que é difícil. eu estou de acordo, depende sempre onde queremos chegar. acho que estamos condenamos a uma certa forma de pré-depressão na criatividade.
.
mas onde eu quero chegar não é a um mundo imaginário, com personagens que sofrem nas mãos do criador, dependentes da disposição do escritor. é, pelo contrário, um lugar onde os personagens são tão imprevisíveis, que o autor fica ele próprio manietado por temer dar destino fatal ao enredo, duvidando em permanência do que é real ou ilusório.
.
no fim de contas, a ficção pode ultrapassar a realidade, o difícil é começar.

3 comentários:

Teté disse...

Quero ver essa ficção ultrapassar a realidade...

Mas com objectivos tão grandiosos, é natural que custe começar!

Vá, mãos há obra, que um antigo professor meu ensinou-me que se começarmos a querer ser um novo Camões ou Shakespeare acabamos por não escrever uma linha. :)

Fernando Pessoa disse...

li há uns tempos que o antónio lobo antunes dizia, que se deve começar a escrever um romance quando se acha que nunca teremos arte suficiente para o acabar.

não se é bem assim. mas não se deve escrever nada que não tenha um propósito ou pelo menos não vá ser uma perda de tempo para quem lê.

(ainda esta madrugada acordei às 5 e não dormia com uma ideia para uma história :) não era nada de específico, só mesmo um título e uma ideia estranha.)

a ver vamos o que sairá. depois da última novelita estar acabada, vou começar a pensar no meu romance.

S. disse...

Começar vai ser tão natural como a vontade de escrever...não a esperamos, acontece e obedecemos.

E eu sorrio a pensar no dia em que for ao lançamento desse romance :)

Bjo*