quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

2009 [2]

[1434]

deus esteve à porta da nossa festa ontem. como estou de relações cortadas em definitivo, não abri. passou a meia-noite ao relento e ao frio. talvez assim se ressinta do que faz às pessoas. do que as obriga a passar em certos momentos da vida.
.

13 comentários:

Lizard King disse...

Deus, nada faz às pessoas, são elas que o fazem a si próprias e nunca nos dá mais do que aquilo que aguentamos. Os seus propósitos são meras lições de vida, que por vezes não percebemos no imediato mas mais tarde vimos que ELE tinha razão. O seu tempo é meramente um tempo diferente do nosso e as coisas vão-se revelando e adquirindo significado há medida que evoluimos e nos libertamos do que não faz mais falta nas nossas vidas. Abre-lhe a porta hoje e sempre, verás que não te arrependes :)

(A minha religião é eclética, mas acredito num bem maior, até porque não podemos ter a arrogância de achar que somos os maiores, nós humanos)

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

falaste bem e eu não sei se o diria melhor. mas ontem não me apeteceu ser justo. apesar de tudo, e porque a festa estava boa (embora me faltasse alguém), admito que isto é inventado. ele não apareceu. eu era incapaz de deixar alguém à porta.

(e acredito em forças maiores, e mais fortes que nós)

PKB disse...

Deus parece que nos deu o livre arbítrio. O maior "disclaimer" de todos os tempos!

Bom Ano Novo!

Lizard King disse...

Se te faltava alguém, a tua mente e "estomâgo" estavam focados nessa ausência, e Ele apareceu tu é que não estavas disponivél :)

E pegando nas palavras da PKB, nós temos sempre livre arbítrio, cabe-nos a nós escolher o melhor caminho, ou o que achamos que será melhor, simplesmente porque queremos acreditar...precisamos de acreditar.

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

pkb,

não sei mesmo se não é um embuste essa do livre arbítrio. eu acredito em coisas pré-definidas e e destinos que serão mesmo que não queiramos, o melhor mesmo é aceitar as coisas como elas são e vêm embrulhadas.

bom ano para ti também :)

lizard,

estou numa luta interior, não porque não acredite, ou porque não tenha a certeza de que seria muito feliz, mas luto porque há um resultado a longo prazo que me parece será inveitavelmente de sofrimento. se não há condições para assumir tudo o que penso ser essencial, então prefiro torcer o meu estômago já, a fazê-lo mais há frente.

Lizard King disse...

Quando já sabemos que se ficamos abrimos a ferida e não lhe damos oportunidade de sarar, não éxiste uma possibilidade real de ser verdadeiramente feliz. Passamos o tempo a lutar e a tentar perceber de modo a haver harmonia e bem estar e isso é um desgaste enorme, a determinada altura o esforço é um fardo demasiado grande. As feridas mal saradas doem e existe sempre o pensamento de que se poderia ter feito mais...e não, não podiamos, tem de ser dois a querer de igual modo ou pelo menos de modo semelhante.

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

aceito o que dizes. as feridas um dia têm de cicatrizar de vez, e se estamos sempre a pensar nelas nunca daremos o passo em frente.

o grande problema é que isto não é passado, é presente e as decisoes têm de ser tomadas. apesar de ter uma enorme parte de mim a querer muito aceitar as coisas como sao, ha uma pequena parte que nao deixa (e não sei se, conhecendo-me bem como conheço, se ela não terá razão.) é isto.

Lizard King disse...

Não é passado nos teus sentimentos, trata-se apenas de realidades diferentes. A parte de ti que não quer largar anseia o reviver de uma realidade que foi lá atrás. O que nos dá dúvidas são as situações presentes e o que amamos e nos mantem ligados são os momentos passados, as vivências partilhadas no passado...mas tal como o mundo, nós também evoluimos e hoje não somos quem eramos há três meses e é com base nesta informação que tomamos decisões.


(e não fica mais fácil, nem dói menos, mas tanbem, garanto-te que um dia deixa de doer nem sabemos muito bem como)

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

vou ter de discordar em absoluto contigo. nunca comparei pessoas passadas e presentes e quanto muito comparo situações práticas análogas que as há . nunca as pessoas, ou as vivências, isso está sempre resolvido. quando estou sozinho tenho isso resolvido e esquecido.

(nunca podemos esquecer o bem que nos fizeram no passado, só por aí admito q tens razão)

e hoje o meu problema é ter demasiadas certezas, e nem sempre as pessoas pensam como eu. e não vou deixar-me levar num mar de dúvidas.

é isto. se fosse ao psicólogo pagava e ele não me ajudava de certeza. assim é melhor obrigado pela consulta. se puder fazer alguma coisa para compensar faça-se saber.

Teté disse...

Olha, ia dizer que o devias ter deixado entrar, mas dizendo-lhe, à partida, que era uma benesse tua, uma vez que ele tinha fechado a porta a muita gente sem qualquer espécie de incómodo!

Isto, claro, se acreditasse neste Deus de que falas, o que não é o caso! ;)

Jinhos!

Lizard King disse...

Não percebeste: não me refiro a pessoas passadas ou situações analogas, mas sim, às mesmas duas pessoas e ao seu percurso em conjunto, é ai que as realidades tambem se alteram (as pessoas trocam experiências e evoluem), nunca se repete nada porque as pessoas são diferentes, o Nós pertence sempre aquelas duas pessoas, porque são elas, com outras duas as coisas nunca seriam iguais. É desta realidade (passado e presente) que falo, a vossa em comum e a individual.

Para me compensares???? hummmmm...deixa ver...pode ser...parece-me bem: brindemos à evolução pessoal, aos amores e às crises existênciais...tinto para mim está bom ;)

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

ele fecha portas mas abre janelas. é o tempo dele. só mais tarde poderemos sempre perceber que ele tinha razão e que tudo o que veio depois foi imensamente maior que o que tinhamos. eu acredito nisto.

beijinhos

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

agora concordo.

e não brindo para já, mas garanto que o farei com vinho tinto.