quinta-feira, 29 de novembro de 2007

O Valor das Bandeiras

Existem dois patriotismos. Um deles é saudável, é crítico, é construtivo, edifica e preserva culturas. O outro é cego, é acrítico, serve-se da propaganda para atingir os seus fins, obriga os cidadãos a serem cegos, surdos e mudos, tudo pelo bem da nação. Ambos existem, à esquerda e à direita, muito embora a esquerda insista em lhes chamar outros nomes. Esquerda e direita, as duas praticaram e praticam, para o bem ou para o mal, estes dois tipos de patriotismo.

Hoje, enquanto caminhava apressado, evitando a todo o custo chegar atrasado a uma loja que deveria estar prestes a fechar, dou de caras com um içar de bandeira, com direito a hino e tudo o mais. Ia tão rápido que me apercebi demasiado tarde daquilo que se estava a passar, isto quando o suposto “director do coro” me endereçou um tenebroso olhar de reprovação. Percebi então que o trânsito parava à medida que os carros se aproximavam do recreio da escola onde tudo estava a acontecer. Havia pessoas na rua, paradas, em sentido e eu… Simplesmente passava! Muito sinceramente desconhecia aquela prática fora de um acto oficial. Com todo o respeito segui o meu caminho, ouvi meia dúzia de insultos, até que me dirigi a alguém e disse “Olhe, peço desculpa mas desconhecia esta prática, isso não quer dizer que eu não respeite o vosso país. Simplesmente não estava à espera disto e, para além do mais vinha distraído”. Levei uma lavagem acerca dos valores nacionais e do respeito à bandeira.

Vejo as horas, não me resta muito tempo para chegar à tal loja que deve estar quase, quase a fechar. Enquanto me dirijo para esse local dou comigo a pensar naquilo que é o patriotismo. Qual o acto mais patriótico que aquelas pessoas poderiam ter tido hoje? Venerar a bandeira e o hino ou sair para a rua e, de uma vez por todas, repor a dignidade e os valores da sua pátria, retirando do poder aqueles que dia após dia lhes roubam a esperança de um dia melhor, fazendo-a desfilar já moribunda nos seus jipes e carros topo de gama?

3 comentários:

Fernando Pessoa disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Zé Baptista disse...

Não coloquem comentários onde se possa identificar o local onde se passam estas coisas.

O Poeta Morto disse...

Não é dificil de saber onde é... para a loja estar mesmo a fechar, e calculando que devias estar a acordar, sendo 14h, só mesmo em Espanha!

É que nao estou a ver onde mais possa ser... já que em Portugal as coisas até funcionam para lá do horário de expediente, como é exemplo qualquer espaço da função pública