quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

o que poderia eu dizer neste dia de trabalho

[560]

bem-vindos de novo à selva. eu estou de regresso com vontade para continuar a chatear a minha malta preferida. para começar bem (ou mal) deixo-vos esta opinião de antónio lobo antunes,
.
[...] Sempre imaginei que um livro resgatava tudo: não resgata. E no entanto continuo a escrever, como se esse acto contivesse em si a minha salvação. Sei bem que chegará um tempo em que apenas os livros hão-de contar porque eu, enquanto pessoa, não tenho importância alguma, às vezes nem para mim mesmo. Vou-me olhando de forma cada vez mais distanciada e sem indulgência. A impressão, melhor: a certeza de haver falhado. O quê? Não estou deprimido, não me sobra tempo para depressões, sou apenas um homem, diante do seu espelho interior, que não gosta do que vê. [...]

3 comentários:

Teté disse...

"Não tenho a menor dúvida de que não há, na língua portuguesa, quem me chegue aos calcanhares." António Lobo Antunes, citado na Actual do Expresso do fim de semana passado, pelo jornalista António Guerreiro.

Humildade por um lado e orgulho besta por outro? Ná, o homem pode ser um grande escritor (nunca li nenhum livro dele, portanto não me pronuncio), mas o homem está longe de ser humilde... Aqui há uns anitos, na Feira do Livro de Lisboa, estava lá numa sessão de autógrafos, com a malta em fila para ele assinar o livro que tinham acabado de comprar, barafustou que não tinha paciência para aturar aquela gentalha... É fino, o "rapaz"!

Talvez por isso, não tenha muita vontade de o ler...

E o Sousa Tavares, como vai? Vou na página 411, com "discussão" marcada para dia 26 deste mês! Só depois é que posto...

Bom dia de trabalho para ti!!!

Fernando Pessoa disse...

:)

1º Sousa Tavares,

Ontem, depois de dois dias a dormir tarde, e obviamente sem sono, deitei-me decididi a terminar. tinha lido até aí, 420/30. e dei por mim, sem fraquejar (como por vezes acontece), a ler com vontade de terminar. vou postar quando tiver tempo para dissecar um pouco a obra.

esse livro está terminado.

2º Lobo Antunes,

também não li nenhum livro dele. nem me agrada a pessoa. não por ele ser quase um lado da barricada e saramago ser o outro. (e eu quedei-me há muito por saramago). a pessoa não me merece sequer um defesa. não o sigo, nem conheço a obra e como em tudo na vida não o vou julgar. contudo, e como são figuras públicas deveriam ter outra atitude. tal como muitas vezes critico o miguel sousa tavares, pelas suas opiniões demasiado exacerbadas e intolerantes. as figuras públicas, são pagas para dar opiniões e devem ter um sentido mais educador de consciências. embora cada um deva pensar por si, muitos são os que os seguem só por serem figuras públicas.

Bom, só falta perceber essa do dia 26, ou essa "discussão". mas á partida a minha opinião é de que, embora sendo livros diferentes, o equador é melhor romance que este.

Teté disse...

Xi, dia 26 é o dia da "discussão" no meu mini-clube de leitura - que não é propriamente um antro de intelectuais, só um grupo de amigos que gostam de ler... e nem todos acabam o livro decidido!

No ano passado foram 4 livros: "O Mistério da Estrada de Sintra" (muito bera, mas o Eça e o Ramalho escreveram aquilo em novos, para publicar no jornal, tipo novela policial), "A Herança do Vazio" de Kiran Desai, "As Mulheres do Meu Pai" de José Eduardo Agualusa e "As Travessuras da Menina Má" de Mário Vargas Llosa...

Quanto ao MST posso não concordar com o espírito "trauliteiro", mas estou a gostar de o ler! O "Equador" virá depois!:)))