quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

citação de alberto caeiro [2]

[675]

das viagens que fizemos, e das que faremos, as palavras são resumos difíceis de se exporem. o homem que adivinhou a data da sua morte, escreveu isto,
.
" o frio especial das manhãs da viagem,
a angustia da partida, carnal no arrepanhar
que vai do coração à pele,
que chora virtualmente embora alegre."
9/10/1927
.
"[...] fiz a viagem, comprei o inútil, achei o incerto
e o meu coração é o mesmo que foi, um céu e um deserto [...]"
1/12/1928
.
a bem dizer, acerta sempre.

3 comentários:

Anónimo disse...

"o meu coração é o mesmo que foi"

o poeta é (realmente) um fingidor...

Fernando Pessoa disse...

a por trás desa capa de anonimato, mesmo que se esconda toda a coragem, e mesmo que a mentira venha vestida de verdade, ou a verdade seja uma mentira incosolável, nunca nada do que eu digo é mentira...

ele veio o mesmo, só não se aguentou até ao dia nascer sem mudar, e essa é uma história mais improvável, embora verdadeira...

Fernando Pessoa disse...

e contudo o parvo...foi...

mas voltou lúcido e sentinela...