sexta-feira, 4 de abril de 2008

vou escrever aqui o terceiro poema da série de dezanove que escrevi desde o dia trinta de março

[858]
.
bebi de um só trago
todo o poema,
de sabor a malte.
.
embriaguei-me de palavras
tamanhas, que julguei
sabê-las todas.
.
então, a sobriedade voltou
e já não me sobram gestos
a vingar a genialidade dos versos.

3 comentários:

Anónimo disse...

pensei que tinhas desistido de ser alguma coisa muito próxima de algo muito mau...

S. disse...

era disto que falava...



...e sim, a recente transformação na poesia do VHM é surpreendente...veremos o que se segue :)

Fernando Pessoa disse...

:)

eu também falava disto. simples palavras procurando dizer tudo com a simplicidade.

e o vhm esteve muito bem em braga, na feira do livro...