quarta-feira, 25 de junho de 2008

hiberno

[1076]

hei-de beijar as tuas mãos em silêncio
até que a razão se perca no peito.
hei-de ser nos teus dedos pousados
nos meus olhos
a visão do fim de tarde
no poente.
.
e na cegueira dos dias mais tristes
as mãos serão os guias serenos.

5 comentários:

PontoGi disse...

se me sussurrasem estas palavras....

Fernando Pessoa disse...

:)

era um exercício engraçado. gravar a declamação da poesia para se ouvir nos auriculares :)

Fernando Pessoa disse...

não sei se era um elogio, mas obrigado pelo comentário.

PontoGi disse...

Claro que sim FP.e nada de agradecimentos. ja passamos a fase das formalidades!
bjs

S. disse...

sempre as mãos...o toque que tanto diz do que vive no peito...muito bonito :)