sexta-feira, 29 de agosto de 2008

rua deserta

[1194]

se um dia acordasse numa rua
toda ela desconhecida do meu tempo,
e sem procurar em todas as portas
adivinhasse qual a tua morada,
.
sentava-me à espera da tua chegada.
.
se um dia acordasse nesse sítio
mesmo sabendo-te escondida do meu lamento,
talvez me convertesse ao enigma da estrela
sabendo-me entregue ao teu sorriso.
.
não sei se algum dia acordarei nessa rua,
ou se esperarei a ausência anunciada,
.
mas hoje sonhei com ela. deserta.

2 comentários:

Teté disse...

Gostei muito! :)*

Fernando Pessoa disse...

:-)

eu agradeço a simpatia, mas não tem o efeito acutilante que eu procuro...