quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

mirra [2]

[1408]

dois corvos e uma andorinha, de preto lacado no corpo
atravessam o nevoeiro desabrido, cumprindo a tarefa
em véspera de natal com uma luz refulgente atada nas garras,
uma revoada nocturna de cantos anunciados.
.
não se sabe se por descuido, ou engano (ou se ardeu numa lareira)
mas o presente não foi entregue ao destinatário.

6 comentários:

Me disse...

Não estará escondido algures, à espera de ser encontrado?

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

:-)

a escrita deixa tudo em aberto. não sei. disse num post anterior que não sei se merecia uma prenda este ano :-)

Me disse...

Vá ver novamente... procure melhor... Talvez os saldos, bem negociadinhos, tenham chegado mais cedo...

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

tudo o que envolva "negociações" é passível de ser melhorado. mas não vejo o que me possa surpreender muito este ano. nem é preciso que isso aconteça no natal, ou na véspera, ou no ano novo...enfim. basta que a vida reserve algumas surpresas, boas de preferência.

Me disse...

A melhor forma de as receberes é não procurares... se procurares, deixam de ser surpresa... passam a ser descobertas...

Sossega Sherlock...

S. G. ex - Fernando Pessoa disse...

terei sido mal interpretado (ou pelo andar da hora estava cansado e fui menos explicito). eu acho que tens razão, quando não se procura, é no dia em que aparecem mais coisas boas. sossegado como estou a aprontar-me para ficar, terei boas surpresas...a vida nunca me deixou ficar mal.