quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

[540]

.
pudesse eu desejar o futuro da mesma forma que venero o passado. e este presente tantas vezes impregnado de inocuidade.
.
.

para compreender, destruí-me. compreender é esquecer de amar
.
(Bernardo Soares, in Livro do Desassossego – Obras de Fernando Pessoa)

3 comentários:

Anónimo disse...

"Estás só. Ninguém o sabe. Cala e finge.
Mas finge sem fingimento.
Nada esperes que em já não exista,
Cada um consigo é triste.
Tens sol se há sol, ramos se ramos buscas,
Sorte se a sorte é dada."

Ricardo Reis

Fernando Pessoa disse...

Tem a profundidade de pessoa, e´a nálise impõem-se.

Mas só me apetecia dizer,

Àmen.

Teté disse...

Isto hoje está tudo muito parado por aqui. Foi da festa de ontem, dos festejos do Braga, ou quê?