terça-feira, 4 de março de 2008

é fácil...é como encontrar um trevo na tromba de um elefante [20]

[777]

é fácil o inverno chegar ao fim. difícil é largar o cachecol.

15 comentários:

Anónimo disse...

Será o substituto da almofada ou da mantinha de infância? Hummm...

Fernando Pessoa disse...

não que substitua, mas deve ter sido o que mais me abraçou nos últimos tempos. para além de substituir muito bem algumas mulheres.

Anónimo disse...

Se um cachecol me substitui assim tão facilmente, fazes-me sentir bem mal!

Fernando Pessoa disse...

eu disse algumas mulheres. mas isso só depende de quem sejas...

Anónimo disse...

Tens assim uma lista tão longa de mulheres que te aquecem o pescoço?

Fernando Pessoa disse...

neste momento não tenho nenhuma (pelo menos que precises de saber) mas fazer alguma lista está fora de questão. estou a preparar o fim do observatório. não há listas para ninguém. o que houver há-de tropeçar.

PontoGi disse...

À primeira vista, isto parece um arrufo...

Fernando Pessoa disse...

:)

parece não parece?

ainda se fosse mesmo um arrufo, e se fosse com um cachecol que eu conhecesse, ou quisesse, até nem era mau para resolver a questiúncula.

:)

Anónimo disse...

Só se substituir as mulheres que não queres...põe-te com esquisitices, põe-te...hehe...quem muito escolhe...pouco acerta!

PontoGi disse...

Anónimo,
percebo a sua ideia, mas "qualquer coisa", nunca foi uma boa opção.

El Salib disse...

Isto a mim, assim à primeira vista parece-me que alguém anda a tentar sacar nabos da púcara... Parece-me.

El Salib disse...

Em relação ao escolher muito, e em defesa do Fernando Pessoa e toda a classe de camurçinas, devo dizer que uma pessoa pode (e deve) dar-se ao luxo de rejeitar certas opções.
Porque quem não escolhe nada é que erra muito!

Fernando Pessoa disse...

a bem da verdade, acho que já acertei e muito, em muitos dias, e em muitos anos, o meu passado é ainda o meu presente.

também continuo a ter um caixote do lixo de fazer inveja a muita gente.

já disse que não faço listas. se aparecer alguém que me agrade e vice-versa, então resolve-se o que há para resolver. mas isto de brincar aos anónimos já deu o que tinha a dar.

não é salib? (meu advogado do diabo)

ah e a ponto gi percebe! não sei bem o quê, mas ela percebe.

eu para mim, ou é o que eu quero ou então, não é nada. suponho que é assim com toda a gente (menos com aqueles que têm medo de ficar sozinhos)

(talvez seja esse o caso do nosso anónimo. ou precisa de alguma aula de etiqueta sobre as conquistas?)

O Poeta Morto disse...

"questiúncula". ainda vou ter de usar essa palavra hoje. nem que logo tenha de forçar a conversa para isso.

era só para acalmar os animos...

PontoGi disse...

;-)